Ir para o conteúdo principal

Pequenos momentos de prazer fazem parte de uma alimentação equilibrada

Atitudes conscientes à mesa abrem espaço para as indulgências que, na quantidade e no contexto adequados, também podem estar presentes em um estilo de vida saudável

Uma mulher relaxa no sofá lendo um livro

Na era da inclusão, a nutrição não poderia ficar de fora. Claro que as refeições nutritivas e equilibradas continuam como base da alimentação saudável, mas pequenas permissões às indulgencias são mais facilmente aceitas como momentos de prazer, que estão associados a uma melhor qualidade de vida.

Este novo olhar, menos restritivo e mais holístico sobre a alimentação, é compartilhado pelos mais recentes movimentos da ciência da nutrição: A Nutrição Comportamental e o Mindful Eating (Comer com Atenção Plena), disciplinas que pregam uma revisão da maneira como nos relacionamos com os alimentos. Conheça alguns desses conceitos e como eles podem ser aplicados no seu dia a dia.

Infográfico com 5 passos para respeitar os sinais internos de fome

Mais confiança nas escolhas

Mindful Eating ou Comer com Atenção Plena, como a prática também é conhecida no Brasil, nasceu do Mindfulness, uma técnica de meditação que ensina a nos conectar ao momento presente. No caso da alimentação, significa prestar atenção naquilo que se come e, a partir daí, desenvolver uma maior consciência em relação à comida e, para isso, a confiança é mais importante do que o controle.

Controle é optar por alimentos específicos, mesmo que você não goste; em quantidades pré-determinadas, mesmo sem estar com fome; e evitar certos alimentos, ainda que deseje comê-los. Confiança é comer com prazer porque sabe que isso faz parte de uma vida saudável, respeitando seus desejos e necessidades, mas tendo consciência que limites também fazem parte da vida. Com consciência, é mais fácil lidar com o equilíbrio.

Prazer permitido, sem julgamento

Em períodos anteriores, um estilo de vida saudável acabou sendo assumido como algo que não pode ser prazeroso e cheio de restrições - já aquilo que dá prazer foi associado ao “engordativo” e proibido, trazendo ansiedade e culpa. Assim, ao invés de saborearmos, por exemplo, um sorvete que desejamos, seja ele um picolé à base de fruta ou leite, optamos por outra sobremesa tida como mais saudável e acabamos por não atender a nossas reais vontades. O que é pior, essa não satisfação ainda pode gerar uma busca por outra realização mais lá na frente.

O melhor é se permitir e comer com atenção plena o que gosta, pois quando consumimos o que nos dá prazer, temos maior plenitude emocional, o que ajuda, inclusive, a saciar a fome física. É claro que o hábito de atender a essas vontades deve acontecer com moderação e inserido no contexto de um estilo de vida saudável, incluindo um cardápio balanceado e a prática regular de atividades físicas.

Você pode optar por procurar um nutricionista que é um profissional capaz te ajudar a ter uma alimentação equilibrada e voltada às suas necessidades físicas, emocionais, culturais e sociais, de modo individualizado. Procure sempre orientação de um especialista antes de fazer mudanças bruscas em sua dieta.

Desfrutar um Magnum - do início ao fim

Comer com atenção plena, se você gosta de sorvete, também implica em desfrutar realmente a ocasião de comer essa delícia! Concentre-se nesse momento de prazer e desfrute-o do início ao fim. Aproveite para usar todos os seus sentidos nessa jornada.

Ao abrir seu sorvete Magnum preferido, o visual é bastante importante: observe a cobertura de chocolate e seu brilho e dependendo do sabor algumas inclusões. Note como começam a formar gotículas na casquinha de chocolate ao passo que o picolé é aberto e entra em contato com o ar. Repare no aroma de seu Magnum, intenso e ao mesmo tempo delicado do chocolate fará com que sua boca comece a salivar de vontade de se jogar em todo prazer de Magnum.

Se atente ao tato e paladar, perceba toda a intensidade de sabor, textura, cremosidade e temperatura do seu Magnum preferido – seja em monobites, picolé ou pote você sentirá essa experiência de modo diferente. E não se esqueça da audição, quem não fica maravilhado ao escutar a mordida em Magnum, os dentes rompendo a generosa camada de chocolate especial e seu som característico?

Que tal sair do piloto automático e entrar nessa nova jornada de autoconhecimento já na próxima refeição? Perceba, reflita e experimente cada tópico abordado aqui para melhorar o seu relacionamento com a comida e com o seu corpo. E fica a dica de ouro: todos os alimentos podem ter espaço em uma rotina saudável - desde que você respeite as questões de quantidade, frequência e equilíbrio no consumo e mantenha um dia ativo!

Referências bibliográficas:

- Alvarenga M, Figueiredo M, Timerman F, Antonaccio C. Nutrição Comportamental. Barueri: Manole; 2019. Nutrição Comportamental no atendimento de crianças e adolescentes (capítulo 17); 433-442. - Antonaccio C e Figueiredo M. Mindful Eating: Comer com Atenção Plena. São Paulo: Abril; 2018. 180p.

-Tribole E, Resch E. Intuitive Eating: A Revolutionary Program That Works; 2012.

- Bays, J. C. Mindful eating: A Guide to Rediscovering a Healthy and Joyful Relationship with Food; 2009.

PRODUTOS